Rodrigo Schuler, CE

A viagem foi fantástica, aventura acima das expectativas.

Parte do meu diario:

Dia 15: demorei a escrever e já esqueci dos fatos. Dias agitados, este foi o mais!! Manhã de caiaque! Remamos ainda mais hoje, todos já bem acostumados....acho que tirei fotos melhores.

No retorno, vimos o navio a pouco mais de dois km, parecia um brinquedo com a montanha ao fundo. Percebo outra mancada minha....esquecera de passar protetor solar no pescoço e na ponta da orelha...estão ardendo! Até mesmo onde passo sem falta, na face, está queimada! Não tem jeito, acho que é camada contra UVA e UVB diminuída talvez. Vejo que estão todos queimados, mesmo passando com diligencia o protetor. Após o almoço, decido não voltar ao caiaque e descer em terra, em uma estação de pesquisa britânica. Pequena ilha, com uma estação na verdade reativada, vimos um pequeno museu, bem interessante, com todos os equipamentos preservados do período de atividade inicial, entre os anos 50 e 60.

A pesquisadora que nos recebeu estava bem empolgada, explicou tudo e quase não nos deixa voltar, considerando que só ia passar um mês na ilha. Nosso capitão convidou as pesquisadoras para um tempo no navio. Na verdade, como em outros passeios, esse foi um plano B, pois com frequência o tempo provoca mudança no itinerário. Após o jantar, espero ansiosamente pelo chamado para desembarcar. Somos pouco mais de 20 intrépidos, saindo as 21 horas, ainda no eterno crepúsculo. Alguns passageiros se reúnem no deck externo para dar vivas, uma gozação na verdade. Levamos nosso saco de dormir, algumas poucas roupas extras, que improvisei na minha pequena sacola seca do caiaque, e tomamos o zodiac para uma pequena ilha relativamente próxima ao navio, uns 10-15 minutos. Visual fantástico! Chegamos a pequena ilha/península, rodeados por uma sequência de picos em meia lua, com o canal ao lado e o navio ao fundo. Após uma hora de esforço, preparamos o terreno e montamos as barracas, até tiramos parte das roupas pelo calor e suor gerados. Muitos eram acampadores experientes, até em neve, de modo que fiquei imitando e aprendendo. Depois uma breve reunião, incluindo considerações sobre o banheiro, vulgo ms. “iame-iame”, motivo de grande atenção.

Não levamos comida nem nada, apenas um pouco de água. Depois, ficamos em total ócio contemplativo. Não havia nada a fazer.....dividimos a ilha com três pinguins como sempre engraçados e uma foca de Weddel, como sempre na sua imobilidade. Após um tempo, David me incitou a participar de uma guerra de bolas de neve.

Foi uma farra!! Brincamos todos até a exaustão, usando as barracas como proteção. Até que fui bem para uma primeira vez. Depois, ficamos todos perfilados, na borda de uma região alta da ilha, contemplando a natureza. Meia noite, claridade grande, decido me recolher para dormir. Divido a barraca com Steve, texano nos seus 60 anos, bem disposto, já terminando seu ultimo continente (há várias pessoas com esse objetivo no navio). Achei legal. Ele era experiente em acampamento , como quase todos os americanos na viagem. Ele disse que costumava dormir tarde, então colocou proteção nos ouvidos e tentamos dormir. Começou o suplício!!!!! Conseguimos cochilar muito pouco. Começamos a passar frio, pior e que depois de instalado no saco, há poucos espaço de manobra, tudo o que fica fora do saco congela.

Conversamos um pouco e ficamos sofrendo, tremendo, ouvindo ainda o ronco vindo das outras barracas. Mal escureceu e já clareou o céu, o que também não ajudava. Antes das cinco nos rendemos ao frio. Nos vestimos, saímos da barraca e encontramos 2 pessoas já despertas, mas que disseram que dormiram muito bem!! Assim como todos os outros!! Que inveja sentimos!!!! Ficamos conversando com uma taiwanesa muito gentil da barraca ao lado, que veio como pai, até que o sofrimento acabou, logo depois das 6 os botes chegaram. Na volta ainda fomos lentos pois na madrugada muito gelo novo despencou das encostas, obstruindo o caminho. 

Rodrigo Schuler, CE a bordo do Sea Adventurer Dec 10, 2013 embarcando no Ushuaia, Argentina e voltando de avião a Punta Arenas, Chile

Depoimentos de quem já foi

 

Veja Aqui

Conheça os Barcos das expedições

 

Veja Aqui

Não Fique com Dúvidas

A Zelfa com 20 anos de Experiência em Expedições Polares

Vai Fazer a sua  Viagem ser Inesquecível!

Fale com a Zelfa

Para falar conosco envie um e-mail para antartida@antartida.com.br aos cuidados de Zelfa, ou preencha o formulário para que possamos responder sua mensagem.

ATENÇÃO: Nosso prazo de resposta é de 24h, caso você não receba neste período, favor acessar sua pasta de spam, ou se preferir entre em contato através de nossos telefones:

Telefone Brasil : + 55.51. 3334.5479

Telefone Argentina : + 54.11. 4806.6326

 

Facebook