Uma crônica Antártida por Júlio Eduardo Zenkner

 

Houve época em que qualquer viagem era uma aventura. Tudo era exploração. Navegantes precisavam ser corajosos, era muito difícil se orientar depois que o litoral sumia no horizonte.

Com o passar do tempo e com a descoberta dos instrumentos de precisão, tornou-se possível navegar ao redor do mundo e voltar para casa após alguns anos. As viagens se vulgarizaram, novas descobertas enchiam os jornais de diversas épocas e as pessoas comuns começaram a conhecer o mundo. Os exploradores que arriscavam suas vidas estavam nos picos mais altos, nos desertos e nos polos. Por outro lado, os indivíduos comuns passaram a viajar ao redor do mundo, fazer compras em países distantes, guardarrecordações de outras culturas e postar cartões de países remotos. O planeta Terra tornou-se um “lugar turístico”. Será que hoje os verdadeiros exploradores estão confinados em naves espaciais na órbita da Terra ou no caminho da Lua?Haverá ainda algo a ser explorado por nós, pessoas comuns? Está tudo tão trivial. Hoje, em qualquer país da Europa compramos belos souvenires “locais”, todos feitos na China.Atualmente, viagens turísticas são feitas sem a necessidade do planejamento que os antigos precisavam ter – tudo já foi pensado e planejado por algum guia especialista na região. Vendem-se e compram-se viagens para quase qualquer lugar. Viaja-se para centenas de destinos com o conforto e a segurança da nossa própria casa. Podemos conhecer os mais diversos lugares e saciar nossa curiosidade ao redor do planeta - coisas que historicamente foram negadas aos nossos nobres antepassados. Vulgarizou-se o ato de viajar e conhecer o mundo.

Será que explorar perdeu o sentido?Ou ainda há algo a ser explorado com seriedade?Será que tudo que nos resta são viagenscom muita segurança e pouca graça? Olhar imagens deslumbrantes na internet, todas retocadas digitalmente? Ou resta algo selvagem a conhecer de perto, ainda que tamanha proximidade com a Natureza traga algum desconforto ou risco?

A resposta é: Sim, Há. E muito!Além de oportunidades de explorar o planeta Terra, temos hojea necessidade de conhecê-lo, além de tudo, com o nobre objetivo de preservá-lo. E o cidadão comum, transformado num turista-explorador, com curiosidade e deslumbramento pelas belezas da Terraé quem poderá conhecer, divulgar e proteger as belezas naturais que nos restam!

E que belezas são estas?

A Antártica e o Ártico eram, há pouco mais de um século, lugares pouco conhecidos, envoltos em mistérios, e eram fontes inesgotáveis de lendas e mitos fantásticos. Os primeiros a voltarem de lá traziam histórias inacreditáveis de peixes gigantescos, baleias, milhares de aves estranhas que caminham juntas, nadam com agilidade, mas não voam. Pouco a pouco aventureiros mais ousados passaram a adentrar o continente do Sul a pé, percorrendo distâncias cada vez mais longas; no verão, andando durante meses de luz sem fim a temperaturas muito abaixo de zero Celsius. Mal vestidos, com o que sua época lhes podia oferecer, mal alimentados, com pastas salgadas de carne e gordura adoeciam por escorbuto, enregelamento paralisante e simples exaustão. Muitos se perderam e deixaram suas vidas na imensidão do branco gelado, nas neblinas sem fim e nas fendas sem fundo, onde apenas o vento incessante testemunhava suas mortes.

Mas o “nosso mundo” é diferente! Apenas um século depois, cá estamos nós visitando a Antártica pela internet. Porém, alto lá! Isto não tem qualquer valor para nossas vidas! Precisamos sim viajar para conhecer. E mais, disse Amyr Klink em um de seus livros,“um homem precisa viajar para lugares que não conhece, para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é, ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos e simplesmente ir ver”.

Resta uma pergunta que faz toda a diferença: na vida atual de um cidadão comum há como explorar algo do mundo, ou tudo o que nos resta é sermos turistas?

                O magistral livro “Antarctica theLastContinent” (escrito pelo explorador e naturalista Kim Heacox e publicado pela NationalGeographicSociety) ajuda a responder esta pergunta. Ele afirma que, neste final do primeiro século de presença humana na Antártica, cada um de nós é ainda um explorador... cada um, cientista ou turista, ainda chega com um senso de missão e retorna com uma sensação de realização.

                Pessoalmente, tive a grata satisfação de ter ido à Antártica movido pelo amor à Natureza e pelo desafio de fotografar o ambiente radical que os locais oferecem. Fotografar em temperaturas negativas apresenta alguns desafios adicionais quanto a lentes e baterias. Estando lá, percebi-me envolvido pelo mundo ao meu redor como quem se envolve espiritualmente com algum conceito religioso novo, diferente de tudo e deslumbrante. Pisar na Antártica é arrebatador. Chega-se com uma curiosidade sem fim e explora-se com um deslumbramento full-time. Sentimo-nos como crianças, sorrindo sozinhas diante das descobertas da infância. Mas, olhando ao redor, constatamos que há varias outras crianças iguais a nós, ostentando os mesmos olhares de infantilidade feliz – exatamente como nos sentimos. A sensação de fantasia coletiva atenua um pouco nosso medo de parecermos ridículos.

Mas é impossível presenciar a vida selvagem da South Georgia e da Península Antártica e voltar para casa considerando esta viagem apenas mais uma viagem turística. Concordo com o autor do livro – Retornei com a sensação de ter conquistado algo. No entanto, minha sensação pessoal é de incompletude. Há algo importante faltando, importante demais, como ter testemunhado algo que não pode permanecer escondido. Fazer o quê agora? Há algo a serpropagado. Obviamente, algo que já é conhecido, mas permanece ignorado pela maioria de nós. Primeiro, a Antártica é mais que um continente, muito mais. E, segundo, a Antártica está sendo alterada a cada dia que passa. Não pelos seus visitantes – cheios de critérios e cuidados. Mas pelo mundo industrial predatório dos séculos XX e XXI - ou seja, por nós. A internet e a literatura antártica são fartas de dados e textos esclarecendo a urgência de que se faça algo pelo clima. E as regiões polares são os palcos onde este desmantelamento da vida natural se mostra mais evidente e radical.  Como explorador diletante e como fotógrafo entusiasta, acho de grande importância que turistas-exploradores conscientes e entusiasmados visitem a Antártica e o Ártico e, devidamente engajados como habitantes do planeta Terra, pensem e ajam juntos como cidadãos do futuro. A literatura é abundante sobre o que é importante fazer.

                Quando percebi que arranjar um jeito de ir à Antártica era uma meta de vida, me senti desamparado. Não sabia como resolver algumas difíceis equações – Por onde começar? Existem viagens comerciais para a South Georgia? A que custos se poderia viajar? Esta ilha – importante para a história das explorações e para a fotografia da vida selvagem - fica a meio caminho entre a América do Sul e a África, seria possível numa mesma viagem ir à Antártica? Minha esposa, pacientemente fez buscas online. Quando conhecemos a Zelfa, as dúvidas passaram a cair como dominós, apresentamos nossas ideias e ela nos apresentou o Gunnar – o medo evaporou como álcool. Conhecemos a empresa Antarpply e o M/V Ushuaia, navio de pesquisa convertido em barco de turismo polar. O planejamento foi uma fase inquietante e desafiadora, horas de buscas e leituras. A viagem, finalmente, foi o coroamento do sonho tornando-se realidade. Sem qualquer risco de pieguice, não há nada que tenhamos feito antes que se equipare ao que vimos e vivemos. Apenas uma equipe que rompe as amarras de profissionalismo e competência e mergulha sem medo na convicção de uma missão e na paixão pelo que faz pode oferecer o que tivemos das Ilhas Falklands, South Georgia e na Península Antártica.

                Hoje esta parte é passada. Mas as memórias são para todo o futuro. Claro, voltaremos... E a missão – não cumprida ainda – é corajosamente nos envolvermos com o que o Planeta necessita de nós. A Antártica e o Ártico estão gritando. Precisamos ouvir. E, para isto, é bom que – pelo menos uma vez – cheguemos mais perto.

Obrigado Zelfa pelos ensinamentos e pelo espaço! Obrigado Gunnar pela visão de explorador moderno. Ela ficará conosco para sempre.

 

  Júlio Eduardo Zenkner

A bordo do M/V USHUAIA

13/outubro – 01/novembro de 2017

 

Depoimentos de quem já foi

 

Veja Aqui

Conheça os Barcos das expedições

 

Veja Aqui

Não Fique com Dúvidas

A Zelfa com 20 anos de Experiência em Expedições Polares

Vai Fazer a sua  Viagem ser Inesquecível!

Veja mais Depoimentos

Mike Weiss

Que prazer te encontrar em Bs As!

Queria muito poder trocar histórias de viagens com vocês... Foi pouco tempo, mas certamente teremos outras oportunidades!!!

Rogerio e Vanessa, Porto Alegre

Oi Zelfa!!!

Foi tudo maravilhoso, ainda estamos nos adaptando ao mundo por aqui. Foi melhor do que esperávamos, tudo ocorreu perfeitamente e a Antartida vai ficar congelada em nossos corações e memórias.

Renato Galdini - SP

Quero agradecer todo o trabalho e apoio que recebemos(eu e a Mellora) na viagem. 

Parabéns! Tudo correu muito bem.  Eu diria que foi perfeito. O navio é muito bom. Está novo e a tripulação é muito prestativa e eficiente.

Fale com a Zelfa

Para falar conosco envie um e-mail para antartida@antartida.com.br aos cuidados de Zelfa, ou preencha o formulário para que possamos responder sua mensagem.

ATENÇÃO: Nosso prazo de resposta é de 24h, caso você não receba neste período, favor acessar sua pasta de spam, ou se preferir entre em contato através de nossos telefones:

Telefone Brasil : + 55.51. 3334.5479

Telefone Argentina : + 54.11. 4806.6326

 

Facebook